domingo, 2 de outubro de 2011

Peregrino II




À Madame M., com todo o meu prazer.

Na saudade que teu corpo me deixou
(Sombra de uma manhã sem destinos)
Há uma carne banhada de tua ausência,
Há um fantasma me acenando do limbo
Mortal que me macula o pensamento
Como quem desenha seu tormento...

Na saudade que teu corpo me deixou
Há meu perfume impregnado em sua pele,
Há uma vela sempre acesa sobre a mesa
Decifrando o fantasma que me persegue
Nas cruciais horas em que me assassino
Em ruas escuras, esfarrapado peregrino.

Desse egoísmo insano e profundo,
O de sentir-me em ti como perfume,
O de ater-me ao teu passo profano,
Fica sempre essa mancha, esse ciúme
De ver-te e não ter-te aqui comigo,
- Sombra da noite, porto, abrigo...

4 comentários:

  1. Esse é bem profundo, fala da saudade, um bom remédio para quem tem um amor distante.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Aridiana, como sempre, muito especial!

    ResponderExcluir