terça-feira, 26 de junho de 2012

Labirinto



Todo homem
É um labirinto,
         Uma coisa
         A boiar
         Na imensidão
         Impura;
Um fantasma,
Um monólogo,
Um instinto
A flamejar de desejos
                      Suas lutas...

Todo homem
         Sozinho
É um destino,
         Um caminho,
         Uma estrada,
         Uma trilha...
         Uma fuga,
         Uma vaga,
         Uma lida,
Qualquer coisa
Maltrapilha...

         ...Todo homem
         É um labirinto,
         Um protesto,
         Uma sina,
         Um destino...

Mário Gerson
Poeta


Ilustração: Joan Miró

13 comentários:

  1. Lendo o poema, eu me senti nesse labirinto, sendo humana percebo que cada verso escrito aqui é uma grande verdade. Parabéns pelo belo texto Mário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aridiana, obrigado por sua leitura sempre atenta... Cada um de nós guardamos essa trágica verdade de estarmos eternamente solitários diante de nossos mais profundos dilemas... Na verdade, somos como aquele que foi jogado no labirinto e a quem é dado apenas sobreviver!

      Excluir
  2. "Todo homem Sozinho
    É um destino". Muito bom, Mário!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo homem sozinho
      É um destino

      porque guarda em si todas as chaves para abrir grande parte das portas que aparecem em seu caminho.

      Cada homem
      é uma trilha,
      um caminho,
      uma fuga...

      Fujamos enquanto é tempo, Ellen. Fujamos logo...

      Excluir
    2. Fujamos enquanto é tempo, Mario.

      Excluir
  3. Respostas
    1. Obrigado, grande poeta Pedro Belo! Abraços!

      Excluir
  4. Todo ser humano é um universo, indefinido, infinito...
    Belíssimo poema, Mário!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana Rita, obrigado por sua leitura... Vamos juntos compartilhando nossas produções... Seus poemas enriquecem este espaço!

      Excluir
  5. Amei primeiro a escolha do Mi´to para ilustrar seu Labirinto, e tambem por " todo homem ser um um caminho,uma estrada, uma trilha, uma fuga," que mesmo sendo " o homem qualquer coisa maltrapilha" deságua em um labirinto que não lhe escapa destino Lindo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dulce, sua presença aqui enriquece este espaço... Obrigado, mais uma vez, por seu carinho, essa ternura presente sempre na sua escrita... "O homem" enquanto coisa continuará sendo esse eterno labirinto...

      Excluir
  6. É preciso ser poeta, "antena da raça", para traçar essa definição clara, ao mesmo tempo matafórica,tão apropriada acerca da condição humana no seu espaço de inserção. Poema muito preciso em conteúdo e forma, inclusive, nesta última, há uma sugestão rítmica bastante perspicaz (reforçada pela semântica) das idas e voltas de um labirinto, do movimento do destino propriamente dito...das nossas quebras, reentrâncias e construções!
    Parabéns, amigo poeta! (Vc tampou geral, não sobrou brecha qualquer!...rs) ...Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Leocy... Sua gentileza me impressiona! Que as tampinhas venham de mão cheia... rs o ritmo empregado no poema, para dar essa ideia de procura, de se perder entre caminhos não foi proposital. Somente um olhar atento como o seu perceberia isso... Nós somos como aquele homem que o rei mau jogou no labirinto e estamos sempre à procura da saída, seja ela qual for. Não importa se estaremos no mar ou na terra... Estamos sempre à procura de algo, sempre, sempre, sempre...

      Excluir