terça-feira, 10 de julho de 2012

Desejo


Em noite de redentor silêncio,
Escutando o vibrar do Infinito,
Perscruto as estrelas que cintilam
Por entre as luzes de mil sonhos.

Cerro os olhos e me transporto,
Sentindo cada suspiro da brisa;
Deambulo por milhas de distância,
Cruzando a imensidão do oceano.

No horizonte, um firme farol
Denuncia o meu porto de abrigo,
Adornado pelas cores do arco-íris
Nas rimas de um poema sussurrado.

Então, num impacto encandeante,
Descubro esse sorriso que me chama –
Eis, por fim, num inominável ensejo,
A doce candura de teus braços.

Lavínia Lins &
Pedro Belo Clara

(Julho 2012).

7 comentários:

  1. Gostaria apenas de frisar o enorme prazer que, para mim, eclodiu da criação deste poema, feito em co-autoria...
    Ao amigo Mário, expresso o meu agradecimento pela publicação.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro Belo, estamos aqui à sua disposição, sempre que necessitar... O espaço é da poesia e você é um poeta atuante! Avante!

      Excluir
  2. Nós agradecemos, Danielle... =)
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Faço minhas, as suas palavras, Pedro Belo Clara: foi um prazer imensurável tecer estes versos contigo. Obrigada, Mário, pela publicação. Obrigada pela leitura e atenção, Danielle. Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Adorei o poema! Parabéns ao poeta e a poetisa!

    ResponderExcluir